Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Segredo de Justiça, Todos defendem, Ninguém cumpre







Publicamente toda a gente defende o segredo de justiça.

É politicamente correcto e fica bem a quem expressa essa defesa.

Mas será que todos, quando lhes convém, não tiram partido da violação do mesmo?

Ao ver o "circo" montado na detenção do ilustre ex-primeiro-ministro, facilmente concluí que alguém ligado à investigação violou o segredo de justiça.

Há muitos anos que ouço dizer que há agentes ligados às investigações que recebem gratificações de órgãos de comunicação social para informarem estes, sobre matérias em segredo de justiça.

E Sócrates não beneficiou, também, três dias antes de ser detido, da violação desse segredo?

Alguém que anda neste mundo com os pés assentes na terra, acredita que o almoço que teve com o ex-procurador-geral da República, Pinto Monteiro, foi «inocente», como afirmou este último interveniente no repasto?

Almoço realizado no dia 18 de Novembro (três dias antes da detenção), numa zona reservada do Hotel Avis, em Lisboa, um dia depois de Pinto Monteiro receber «um telefonema do secretário» de Sócrates, disse o ex-PGR, em entrevista à RTP.

Na mesma entrevista, Pinto Monteiro diz sobre o convite do ex-primeiro-ministro: «Fiquei surpreendido porque nunca tinha almoçado com José Sócrates».

Alguém acredita que neste almoço não ouve violação do segredo de justiça, neste caso a favor do arguido/detido?

Como dizem os ingleses: "There is no free lunch"


Feliz sex-feira para Todos/as!


Imagem in Google

Sem comentários:

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.