Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

sábado, 27 de junho de 2015

Hoje farias 98 anos



Estejas onde estiveres, sente aí aquele abraço que ando há 40 anos para te dar. heart emoticon




Pode ver/ouvir este vídeo em 'Horta do Zorate TV, canal 23 84 18 do MEO



quarta-feira, 24 de junho de 2015

Tragédia de Camarate: Relatório reafirma tese de atentado


"A QUEDA DO AVIÃO EM CAMARATE, NA NOITE DE 4 DE DEZEMBRO, DEVEU-SE A UM ATENTADO"






«O relatório final da X Comissão Parlamentar de Inquérito à Tragédia de Camarate reafirma a tese de atentado e aponta "lacunas" à atuação da Polícia Judiciária e da Procuradoria-Geral da República.

O documento, previsto ser votado esta terça-feira na especialidade e na sexta-feira em sessão plenária, poderá ainda incorporar algumas sugestões de alteração, já expressas pelos grupos parlamentares de CDS-PP, PCP e também pelos representantes dos familiares das vítimas.
"A queda do avião em Camarate, na noite de 4 de dezembro, deveu-se a um atentado", lê-se nas conclusões finais do texto, cujo deputado relator foi o social-democrata Pedro do Ó Ramos.
O inquérito voltou a debruçar-se sobre a noite dos acontecimentos no final de 1980, em plena campanha presidencial, na qual a Aliança Democrática (PPD/PSD, CDS e PPM) apoiava Soares Carneiro, derrotado posteriormente por Ramalho Eanes.
Há 35 anos, o então primeiro-ministro e o seu ministro da Defesa, respetivamente Sá Carneiro (PPD) e Amaro da Costa (CDS), morreram, tal como a tripulação e restante comitiva, a bordo de um Cessna 421 A, despenhado pouco depois de levantar voo de Lisboa, rumo ao Porto, para um comício.
O relatório realça também que "foi evidenciado, com elevado grau de confiança, que José Moreira e Elisabete Silva foram assassinados no início de janeiro de 1983". O dono do avião utilizado na campanha presidencial de 1980, José Moreira, e sua companheira foram encontrados mortos no seu apartamento, em Carnaxide, a 5 de janeiro de 1983, dias antes de aquele engenheiro ir testemunhar, também em comissão parlamentar de inquérito, sobre a queda do bimotor norte-americano, depois de ter afirmado possuir informações relevantes sobre o assunto.
"A atuação da PJ na investigação à morte de José Moreira e Elisabete Silva foi deficiente e apresentou lacunas inequívocas, sendo difícil crer que se tenha devido apenas a eventuais descuidos", refere o documento.
Ainda segundo o texto, "a atuação da PGR, designadamente no inquérito disciplinar de 1992 à atuação da PJ e do Instituto de Medicina Legal, no caso da morte de José Moreira e Elisabete Silva, foi também ela deficitária, com gritantes e evidentes lacunas, sendo igualmente difícil crer que se tenha devido apenas a eventuais descuidos".
Porém, a comissão de inquérito conclui que "não foi possível estabelecer um nexo de causalidade entre a sua morte (José Moreira) e o atentado que vitimou, entre outros, o primeiro-ministro e o ministro da Defesa".
Relativamente ao Fundo de Defesa Militar do Ultramar, cujas supostas irregularidades estariam a ser investigadas na altura por Amaro da Costa, o documento reconhece que o mesmo "permaneceu ativo, sob a forma de um fundo privativo até 1993, tendo sido utilizados cerca de 481 milhões de escudos neste período sem qualquer escrutínio".
"O saldo inicial do fundo privativo em 1981, e calculado aos dias de hoje, equivaleria a cerca de 30 milhões de euros. O saldo final em 1993 corresponderia a cerca de 25 mil euros", lê-se.
O relatório confirma ainda "o transbordo de armas para o Irão em 1980 e a exportação de armas para o mesmo país, pelo menos em 1980 e 1981, mesmo após o corte de relações comerciais e com a inexistência de autorização de exportação de armamento por parte do Ministro da Defesa".
A comissão parlamentar de inquérito recomenda ainda à Assembleia da República "a digitalização de todo o espólio documental relativo ao atentado e posterior colocação de todo o acervo no site oficial do Parlamento".»

Fonte: Expresso online, 23 de Junho de 2015

domingo, 21 de junho de 2015

O Verão chega hoje a Portugal


Chega hoje, domingo, 21 de Junho de 2015, pelas 16 horas e 38 minutos, a Portugal continental e Região Autónoma da Madeira.

Ora, vamos lá então
Receber com alegria
Mais um lindo Verão
Que começa neste dia

Domingo Feliz para Todos! 




Pode ver/ouvir este vídeo em 'Horta do Zorate TV, canal 23 84 18 do MEO



sábado, 20 de junho de 2015

COMPREI UM BURRO





Farto dos aumentos dos combustíveis, vendi os carros velhos, que António Costa proibiu de entrar em Lisboa, e deixei de andar de transportes públicos, que também se aproveitam para aumentar os seus preços.
Coloquei uma manjedoura na garagem e comprei um BURRO.
Em segunda mão, com a pelagem já um pouco russa, mas que anda muito bem.
Mesmo na sua mais louca velocidade não corro o risco de ficar sem a carta de condução.
Aliás, nem é preciso carta de condução, inspecção, seguro e IUC (Imposto Único de Circulação).
Arranjo sempre lugar para estacionar e nunca nenhum fiscal da EMEL me incomodou por não lhe ter colocado na testa o bilhete do parquímetro.
Anda sempre, mesmo quando já não tem favas, cenouras e feno na barriga.
Nunca me deixou parado no meio de uma subida, obrigando-me a andar quilómetros para lhe ir buscar favas.
Passei a chegar a horas ao "Ai se eu te pego".
Não anda tão depressa como um carro, mas chega mais depressa.
Rio-me dos engarrafamentos.
O BURRO esgueira-se lindamente por entre os carros parados e por cima dos passeios.
Até sobe e desce escadas, onde não existe acesso para pessoas com mobilidade reduzida.
E é completamente ecológico.
Não consome gasolina, gasóleo nem óleo, mas produtos inteiramente biológicos e degradáveis, como favas, cenouras, cevada e outros ferrejos (verduras).
Quando o estaciono em jardins ou relvados, auto-abastece-se automaticamente.
E o que sai pelo seu tubo de escape não polui o ar nem faz buracos no ozono.
As suas bostas são do melhor fertilizante que há para a agricultura.
Estou a treiná-lo para dar coices em situações de Burro-Jacking.
Em Muge, aqui, quando zurra todos dizem ou pensam:
"Lá está o Burro do Alberto a zurrar!"





Texto de autor desconhecido, adaptado por Alberto João (Catujaleno/Zorate)
Imagem Google

segunda-feira, 15 de junho de 2015

ALÍVIOS



O senhor Silva, a caminho da Bulgária, e da Roménia, fez saber, mais uma vez nas nuvens, a cerca de 11 000 metros de altitude, que se sente "aliviado" com a privatização da TAP.

Portugal ficará, a meu ver, aliviado quando o homem que protagonizou, há 30 anos, a célebre rodagem de um Citroen BX em viagem à Figueira da Foz, regressar de vez ao conforto do seu lar na Lapa, em Lisboa.

Por cá, com os pés bem (ou mal) assentes na terra, o que acham deste bolero para aliviar a pressão a que sujeitam as nossas vidas? 
smile emoticon

Bo Derek diz que este bolero é a música mais indicada para aliviar a pressão sexual contida nos nossos cérebros.

Com sexo, ou sem sexo, vamos lá aliviar a pressão, e começar a semana de forma o mais possível aliviada.


Bom dia e tenham Todos uma semana com muitos momentos Felizes! 
heart emoticon





Pode ver/ouvir este vídeo em 'Horta do Zorate TV, canal 23 84 18 do MEO


sábado, 13 de junho de 2015

E veio-me à memória o 44 de Évora






Imagem in Google

Humberto Pedrosa, da pequena empresa Joaquim Jerónimo à TAP





Nascido em 1947, na localidade de Asseiceira Pequena, no concelho de Mafra, Humberto Pedrosa, com apenas 20 anos, criou a base daquele que é considerado o maior grupo de transportes da Península Ibérica (Grupo Barraqueiro), ao assumir a gestão da empresa Joaquim Jerónimo Lda, fundada em 1915 e que fazia o transporte de passageiros no eixo Torres Vedras - Lisboa, com apenas 11 autocarros.

Agora, em 2015, vai ser um dos donos da...








Imagens in Google

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.