Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Pensamento para o dia do meu 59º Aniversário


Bom dia!
«Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada. 

À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.»

Álvaro de Campos (Heterónimo de Fernando Pessoa)
Votos de uma sex-feira FELIZ para TODOS VÓS!
Télogo!








Imagem do Google

terça-feira, 11 de abril de 2017

CASOS DO ACASO



Aos nossos olhos, os nossos filhos são os melhores filhos do mundo, mesmo que numa ou noutra ocasião cometam erros que mereceriam da nossa parte uma atitude castigadora.
Todos nós pais sabemos que o filho mais "santinho" do mundo, quando acompanhado pode ser apanhado pela dinâmica de grupo e, consequentemente, é bem capaz de cometer actos que nos põem os cabelos em pé.
Será que ao alinharmos na desculpabilização de erros de considerável gravidade estamos a faze
r bem aos nossos filhos?
Boa tarde!


segunda-feira, 27 de março de 2017

DIA MUNDIAL DO TEATRO



Hoje, segunda-feira, 27 de março, celebra-se o Dia Mundial do Teatro.
Para comemorar simbolicamente esta data, publico aqui uma foto do Grupo de Teatro da Sociedade Recreativa Catujalense, com o elenco que em 1976 estreou a peça "Filho Sozinho", um drama em 3 actos, de Francisco Ventura, cujo papel de filho, sozinho, foi interpretado por mim, com 18 anos de idade na altura.
A peça foi estreada no dia 31 de julho de 1976, e durante cerca de dois anos foi apresentada em palcos do concelho de Loures e Vila Franca de Xira.
Este período foi, sem dúvida, um dos mais Felizes da minha vida!
Votos de uma segunda-feira Feliz para Todos Vós!




Elenco, da esquerda para a direita, de cima para baixo:
Adolfo Vilela (já falecido); Idalina Pego; Maria Leonor Almeida; Manuel de Almeida (encenador, já falecido); Maria Helena Pêgo; Maria José; José Júlio Tavares; Alberto Cá'marranjo; Joaquim Tavares (já falecido); Alberto João (Catujaleno); e José Pêgo.




domingo, 26 de março de 2017

Bem prega frei... Augusto Santos Silva



O nosso Ministro dos Negócios Estrangeiros, que há tempos comparou a concertação social com uma feira de gado, cortou relações com Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, por este último, numa entrevista, ter usado uma metáfora, na primeira pessoa: "Eu não posso gastar o meu dinheiro todo em aguardente e mulheres e pedir-lhe de seguida a sua ajuda".
Sim, eu acredito em OVNIS, apesar de nunca ter visto nenhum!





Imagem do Google

DIA DO LIVRO PORTUGUÊS






Hoje, domingo, 26 de março, celebra-se o Dia do Livro Português.
 
O Dia do Livro Português foi criado pela Sociedade Portuguesa de Autores com o intuito de destacar a importância do livro e da língua portuguesa em todo o mundo e no saber da humanidade em geral.
 
Foi escolhido o dia 26 de março para esta celebração porque foi neste dia, em 1487, que se imprimiu o primeiro livro em Portugal: o “Pentateuco”, em hebraico. O livro saiu das oficinas do judeu Samuel Gacon, na Vila-a-Dentro, em Faro. Já o primeiro livro escrito em português foi impresso no Porto, dez anos depois, a 4 de janeiro de 1497. Produzido pelo primeiro impressor luso, Rodrigo Álvares, o livro tinha o título de “Constituições que fez o Senhor Dom Diogo de Sousa, Bispo do Porto”.

Antes de eu ter acesso à Internet, em 1999, tinha o hábito de comprar e ler um livro por semana. Com o surgimento deste fabuloso meio de comunicação, os livros passaram para segundo plano. Ainda assim, de quando em vez, vou comprando um ou outro livro.
 
Alguns dos livros da literatura portuguesa que fazem parte da minha biblioteca particular:
- Os Lusíadas – Luís de Camões
- Livro do Desassossego - Fernando Pessoa
- Os Maias – Eça de Queirós
- Húmus - Raúl Brandão
- Amor de Perdição – Camilo Castelo Branco
- O Delfim - José Cardoso Pires
- Mensagem – Fernando Pessoa
- Finisterra - Carlos de Oliveira
- Auto da Barca do Inferno – Gil Vicente
- Os Cus de Judas - António Lobo Antunes
- Casa Grande de Romarigães - Aquilino Ribeiro
- Memorial do Convento – José Saramago
- Sermão de St. António aos Peixes – Padre António Vieira
- Para Sempre - Vergílio Ferreira
- Peregrinação – Fernão Mendes Pinto
- As Pupilas do Senhor Reitor – Júlio Dinis
- Os Passos em Volta - Herbert Helder
- Bichos – Miguel Torga
- Viagens na Minha Terra – Almeida Garrett
- Este livro que vos deixo - António Aleixo
- Aparição – Vergílio Ferreira
- Rimas – Bocage
- O Livro de Cesário Verde – Cesário Verde
- Clepsidra - Camilo Pessanha
- Gaibéus - Alves Redol
- Balada da Praia dos Cães – José Cardoso Pires
- Mau Tempo No Canal - Vitorino Nemésio
- As Mãos e os Frutos - Eugénio de Andrade
- A Sibila - Augustina Bessa-Luís
- Pena Capital - Mário Cesariny
- O Medo – Al Berto
- A Colher na Boca - Herberto Helder
- Felizmente Há Luar! - Luís de Sttau Monteiro
- Sinais de Fogo - Jorge de Sena
- Charneca em Flor - Florbela Espanca
- Poesia - Sophia de Mello Breyner Andresen
- O Ano da Morte de Ricardo Reis - José Saramago
- Equador - Miguel Sousa Tavares
 
É precisamente este último livro da lista, Equador, de Miguel Sousa Tavares, que estou a reler neste momento. Pois foi o livro que escolhi para fazer um trabalho a incluir no meu PRA (Portefólio Reflexivo de Aprendizagem) do processo de RVCC (Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) para obter o 12º ano de escolaridade.

Votos de um domingo Feliz para Todos Vós!




Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.