Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Se eu não voltar aqui


Se eu não voltar
aqui
morri
a amar
Se eu aqui
não voltar
morri
ali
a sexuar






Texto de Alberto João Catujaleno, 
Ribatejo, 29 de Abril de 2015

sábado, 25 de abril de 2015

Comunicado do Movimento das Forças Armadas no dia 25 de Abril de 1974





Pode ouvir este vídeo no canal 23 84 18 do MEO


José Fanha - 'Eu Sou Português Aqui' - Homenagem a Salgueiro Maia, um dos heróis do 25 de Abril de 1974




Pode ver este vídeo no canal 23 84 18 do MEO



Eu Sou Português Aqui

Eu sou português
aqui
em terra e fome talhado
feito de barro e carvão
rasgado pelo vento norte
amante certo da morte
no silêncio da agressão.
Eu sou português
aqui
mas nascido deste lado
do lado de cá da vida
do lado do sofrimento
da miséria repetida
do pé descalço
do vento.
Nasci
deste lado da cidade
nesta margem
no meio da tempestade
durante o reino do medo.
Sempre a apostar na viagem
quando os frutos amargavam
e o luar sabia a azedo.
Eu sou português
aqui
no teatro mentiroso
mas afinal verdadeiro
na finta fácil
no gozo
no sorriso doloroso
no gingar dum marinheiro.
Nasci
deste lado da ternura
do coração esfarrapado
eu sou filho da aventura
da anedota
do acaso
campeão do improviso,
trago as mãos sujas do sangue
que empapa a terra que piso.
Eu sou português
aqui
na brilhantina em que embrulho,
do alto da minha esquina
a conversa e a borrasca
eu sou filho do sarilho
do gesto desmesurado
nos cordéis do desenrasca.
Nasci
aqui
no mês de Abril
quando esqueci toda a saudade
e comecei a inventar
em cada gesto
a liberdade.
Nasci
aqui
ao pé do mar
duma garganta magoada no cantar.
Eu sou a festa
inacabada
quase ausente
eu sou a briga
a luta antiga
renovada
ainda urgente.
Eu sou português
aqui
o português sem mestre
mas com jeito.
Eu sou português
aqui
e trago o mês de Abril
a voar
dentro do peito.


Poesia in 'Eu sou português aqui' - Obras de José Fanha - Ulmeiro – 1995

Zeca Afonso - 'Grândola, Vila Morena', segunda senha de sinalização da Revolução de 25 de Abril de 1974



'Grândola, Vila Morena', canção composta e cantada por Zeca Afonso, foi escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) para ser a segunda senha de sinalização da Revolução dos Cravos. A canção refere-se à fraternidade entre o povo de Grândola, vila do Alentejo. Às zero horas e vinte minutos do dia 25 de Abril de 1974, a canção foi transmitida pelo programa independente 'Limite' através da Rádio Renascença como sinal para confirmar o início da revolução. Também por esse motivo, transformou-se em símbolo da revolução, assim como do início da democracia em Portugal.






Pode ver este vídeo no canal 23 84 18 do MEO


Paulo de Carvalho - 'E Depois do Adeus', primeira senha da revolução de 25 de Abril de 1974



"E Depois do Adeus" foi a canção que serviu de primeira senha à revolução de 25 de Abril de 1974. 
Com a transmissão de "E Depois do Adeus", pelos Emissores Associados de Lisboa às 22h55m do dia 24 de Abril de 1974, era dada a ordem para as tropas se prepararem e estarem a postos.
Com letra de José Niza e música de José Calvário, a canção foi escrita para ser interpretada por Paulo de Carvalho na 12.ª edição do Festival RTP da Canção, do qual sairia vencedora.





Pode ver este vídeo no canal 23 84 18 do MEO

quarta-feira, 22 de abril de 2015

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Faz hoje 37 anos que fui Pai pela primeira vez (17 de Abril de 1978)


Parabéns, Sandro! smile emoticon
Obrigado por seres o Filho, o Irmão, o Neto, o Primo, o Amigo e, sobretudo, o Grande Pai que és! heart emoticon
Obrigado, Donzília, por me teres dado e educado o Grande Ser Humano que é o nosso Filho! 
heart emoticon





Pode ver este vídeo no canal 23 84 18 do MEO


quarta-feira, 15 de abril de 2015

PORQUE RECORDAR É VIVER



"Cerveja Sagres, a sede que se deseja"

Slogan publicitário criado nos anos 60 pelo poeta José Carlos Ary dos Santos.



Quantas carradas destas já me passaram pela garganta?






Imagem Google

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Jorge Fernando - 'Chuva'





Pode ver este vídeo no canal 23 84 18 do MEO


Quando pensa em Eanes, Sampaio da Nóvoa está a pensar criar um partido político no Palácio de Belém?


"Penso em Eanes quando penso na minha candidatura"

(Sampaio da Nóvoa em entrevista ao Jornal de Notícias)



Ora, veio-me à memória aquele dia do ano de 1980 em que Mário Soares decidiu retirar o apoio à recandidatura de Eanes à Presidência da República. 

Como a vontade dos restantes membros do Secretariado (Zenha, Constâncio, Guterres, entre outros, que ficaram para sempre conhecidos como membros do ex-Secretariado) do Partido Socialista - Sede Nacional era contrária à sua, Soares abandonou o cargo de Secretário-Geral do partido.




Também me veio à memória que Eanes não resistiu à tentação de criar, a partir do Palácio de Belém, um partido político, o PRD, que obteve 17,92% nas Legislativas de 1985, que dividiu o eleitorado Socialista, e valeu a maior humilhação eleitoral do PS (20,77%), com Almeida Santos a dar a cara como "candidato" a primeiro-ministro.






Quando pensa em Eanes, Nóvoa estará a pensar em repetir aquela proeza? 

O que é feito da memória de Mário Soares? 
O que é feito da memória colectiva do Partido Socialista?




Imagens in Google

Como evitar que Bananas amadureçam muito rápido






Imagem Google

domingo, 5 de abril de 2015

Perguntas parvas que me passam pela cabeça



Se a pretensão de qualquer Presidente da República é estar acima das querelas partidárias e ser Presidente de TODOS os Portugueses, porque razão há candidatos que procuram ser apoiados por partidos políticos, e estes decidem, enquanto partidos, apoiá-los, em vez de deixarem o povo escolher livremente?






Imagem Google

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 58 anos.