Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Sporting 3 - FC Porto 0


Hoje até os Lampiões torceram pelo Sporting...rs

Luís Amado: «Só oiço dizer mal de Portugal em Portugal»...

«O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, confessou que só ouve dizer mal de Portugal em Portugal, em contraste com elogios ao país que ouve constantemente de dirigentes dos países que visita no mundo.»

in Lusa online, 28-02-2010





Nota do Zorate:

Ao ler estas declarações do ministro Luís Amado, veio-me à memória esta famosa frase atribuída a Gaius Julius Caesar (110-44 aC): "há nos confins da Ibéria um povo que nem se governa nem se deixa governar".


- Busto de Gaius Julius Caesar -

Chile: Sismo fez pelo menos 400 mortos...


Título do post in Expresso online, 28-02-2010
Imagem in Google

Sismo no Chile fez pelo menos 300 mortos e mais de 2 milhões de desalojados...


Hoje no Coliseu de Lisboa: Gala da SIC ajuda a reconstruir Madeira...



O Coliseu de Lisboa será palco, a partir das 21h45 de domingo, de um espectáculo transmitido pela SIC em que mais de 60 artistas actuarão na gala ‘Uma Flor para a Madeira’, a qual tem o alto patrocínio do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva e será apresentada por João Manzarra e Fátima Lopes.


Em palco vão estar ainda muitos rostos do canal de Carnaxide para atender chamadas de todos espectadores que queiram dar o seu contributo monetário ajudar a reconstruir a Madeira.

Os bilhetes já estão esgotados e todos os que amanhã estarão a assistir pagaram 10 euros pela entrada, inclusive o Presidente da República.

“Entretanto já está activa a linha solidária 760 206 060. Pode ligar-se agora, hoje, e deixar um donativo”, disse ao CM Nuno Santos, director de Programas da SIC.

A totalidade das receitas desta gala (bilheteira, chamadas telefónicas e donativos) reverterão para a reconstrução da Madeira e apoio às vítimas, através da SIC Esperança. As associações beneficiadas são a Associação Desenvolvimento da Ribeira Brava e a Associação Desenvolvimento de Santo António.

“Muitos são os que apoiam esta acção, ainda que estejam ausentes do espectáculo”, explica ainda o director de programas da SIC.

Tony Carreira, Ana Sofia Varela, Anjos, Camané, Carlos Costa, Cristina Branco, Diana Piedade, Filipe Pinto, João Gil, João Pedro Pais, José Cid, José Perdigão, Kátia Guerreiro, Laurent Filipe, Luís Represas, Mafalda Sacchetti, Marco Paulo, Nélson Canoa, Paulo de Carvalho, Pedro Jóia, Ricardo Ribeiro, Rui Massena, Rui Veloso, Sérgio Godinho, Vânia Fernandes e Xutos & Pontapés, entre outros, vão partilhar o palco e levar uma mensagem de apoio às vítimas da tragédia.





Texto in CM online, 27-02-2010

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Chile: Sismo filmado por câmaras de segurança...(vídeo)...

Vídeo in YouTube, 27-02-2010

Sismo no Chile: Veja a emissão em directo de uma televisão chilena...

Streaming .TV shows by Ustream




"Parece o fim do mundo", dizem os primeiros chilenos, incrédulos, perante o sismo que agitou o país durante esta madrugada. Pelo menos 122 pessoas morreram, segundo o governo chileno, no sismo de intensidade 8.8 na escala de Richter, esta madrugada, na costa do Chile, cerca das 5h30 em Portugal. As autoridades do Chile, Japão e de outros países do Pacífico declararam alerta de tsunami.

As últimas notícias do Centro de alerta de tsunami do Pacífico dão conta de ondas de mais de 2 metros de altura, mas é esperado um agravamento nas próximas horas.

"Tivemos um enorme tremor de terra", disse Michelle Bachelet, acrescentando que "estamos a fazer tudo o que podemos, com os meios disponíveis". A presidente chilena decretou o estado de catástrofe no país, sobretudo nas duas zonas mais afectadas (Concepción e Santiago) e há registo de graves danos em várias cidades, estando as movimentações suspensas no principal aeroporto chileno.

O epicentro localizou-se a 115 quilómetros da cidade de Concepción e a 325 quilómetros da capital, Santiago. Segundo o centro geológico norte-americano (USGS) já foram registadas 25 réplicas de menor intensidade (6.2, 5.4 e 6.9 na escala de Richter foram as mais intensas).

Alguns relatos directamente de Concepción, a segunda maior cidade chilena e a mais afectada pelo sismo desta madrugada, dão conta de um cenário "devastador" e que parece de uma "zona de guerra", afirmam algumas testemunhas à SkyNews. Os testemunhos dão conta de um cenário "nunca antes visto", com edifícios completamente destruídos e cortes de água, luz e gás em diversas cidades chilenas. "Os semáforos bão funcionam, as pessoas conduzem para os pontos mais altos para fugirem ao tsunami", referem alguns locais.

A capital, Santiago, não tem de momento electricidade nem comunicações e as primeiras indicações dão conta de vários edifícios destruídos devido a danos causados pelo tremor de terra. De acordo com uma televisão local, vários hospitais da capital ficaram destruídos e outros foram evacuados.

Na capital da Argentina, Buenos Aires, alguns edifícios foram também evacuados devido ao abalo sísmico.

Entretanto, a meio da tarde, uma onda gigante matou mais três pessoas na ilha de Juan Fernandez, a 643 km da costa do Chile. Segundo o governador da ilha, Ivan De La Maza, dez pessoas estão desaparecidas.

Em 1960, o Chile sofreu o mais forte sismo de que há registo em todo o mundo desde 1900: um tremor de terra de 9.5 na escala de Richter sacudiu a região de Valdivia e matou 1655 pessoas, tendo dado origem a um tsunami sentido no Hawai, Japão e Filipinas. O último sismo de grande intensidade sentido no país foi em 1985.

O sismo no Chile ocorre um mês e meio depois do devastador tremor de terra de 12 de Janeiro no Haiti, que provocou mais de 215 mil mortes.

Texto in "i" online, 27-02-2010

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Tragédia da Madeira anunciada há dois anos em programa da RTP2...(vídeo)...

Vídeo in YouTube

Quantos dias vamos esperar para ver Alberto João Jardim voltar a insultar Sócrates, ou o senhor Silva, ou outra "gentalha do contnente"?


"Há momentos na vida em que todos temos de ir ao encontro uns dos outros e às vezes há males que vêm por bem."

Alberto João Jardim, a propósito da gestão da catástrofe no arquipélago da Madeira, o presidente do Governo Regional disse que o primeiro-ministro tem sido uma "surpresa" e que se têm entendido muito bem. TSF, 26/02/2010, reproduzido no Expresso online.





António Lobo Xavier, esta noite na "Quadratura do Círculo" citou este famoso poema de Carlos Drummond de Andrade...



João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou pra tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.




- Carlos Drummond de Andrade -

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Madeira - "United We Stand, Divided We Fall"...

A união faz a força.

Vídeo in YouTube, 24-02-2010

Há cada vez mais jovens com a "Doença de Crohn" em Portugal...

Já são 300 e estima-se que venham a ser diagnosticados anualmente 100 novos casos entre jovens dos dez aos 20 anos.






Em Portugal existem 300 jovens diagnosticados com a doença de Crohn, e estima-se que venham a ser identificados a cada ano 100 novos casos entre os 10 e os 20 anos. Os números são do Grupo de Estudos da Doença Inflamatória Intestinal (GEDII), criado em 2006, e apontam para um aumento da prevalência da doença entre os mais novos. Mudanças no estilo de vida podem ser uma das explicações e, embora cada vez se saiba mais sobre a inflamação crónica do tracto intestinal, ainda não há forma de controlar o seu aparecimento.

"Não havia forma de prevenir este aumento da prevalência", explica Jorge Amil Dias, director do Serviço de Pediatria e Gastrenterologia Pediátrica do Hospital de São João, no Porto, e especialista do GEDII. "Sabemos que a modificação de hábitos alimentares, o uso de fármacos e vacinas influencia a forma como nos relacionamos com as bactérias. Essas modificações têm vantagens mas também alguns riscos, como as alergias e outras doenças", revela.

O problema é comum a outras doenças auto-imunes, neste caso o sistema imunitário ataca o intestino delgado. "A sociedade tem sofrido numerosas e rápidas modificações no estilo de vida, infecções, imunizações... Os nossos mecanismos biológicos, nomeadamente o sistema imunitário, necessitam de muito mais tempo para se ajustar também. Da relação mais ou menos equilibrada com a flora bacteriana do nosso intestino pode decorrer um estado inflamatório crónico, como a doença de Crohn."

Embora a susceptibilidade genética seja considerada um factor a ter em conta em alguns doentes, "não é suficiente para prever ou desencadear a patologia", explica Jorge Amil Dias. No Hospital de São João, onde trabalha, há 70 crianças e jovens em tratamentos e vários casos diagnosticados antes dos dez anos, o mais novo com quatro anos.

Maria João Abreu é uma das adolescentes que frequenta as consultas. Foi diagnosticada há um ano e dois meses: tinha 11 anos, pesava 23 quilos e não crescia - um dos sinais mais visíveis na infância. E não era conhecido nenhum caso na família. Há ainda outros sintomas que ajudam a despistar a doença, como dor abdominal, diarreia, emagrecimento, aftas recorrentes, febre, astenia ou anemia. O crescimento acaba por ser uma das maiores preocupações nesta faixa etária, revela Jorge Amil Dias: "Esses doentes têm risco de perturbação do crescimento pela inflamação intestinal crónica mas desejamos que o tratamento não seja um factor adicional que perturbe esse crescimento, que só ocorre numa fase da vida."

Os medicamentos biológicos são uma das ferramentas estudadas, uma vez que actuam nos mecanismos moleculares da inflamação e podem ajudar a substituir a medicação tradicional à base de antibióticos ou cortisona. Jorge Amil Dias defende que o seu uso deve reservar-se a casos com indicações específicas: "Sem as indicações correctas torna-se num despesismo e expõe os doentes a riscos desnecessários."

Texto in "i" online, 24-02-2010

Imagem in Google

Haverá em Portugal pessoa mais hipócrita do que Cavaco?

"É matéria de analistas ou matéria de jornalistas, não do Presidente da República"

Cavaco Silva, o Presidente da República, quando questionado sobre se ficou esclarecido com as explicações do primeiro-ministro sobre o processo Face Oculta. Diário Económico online, 24/02/2010, reproduzido no Expresso online.

Depois da casa alagada...


Cartoon de Rodrigo in Expresso online, 24-02-2010

Foi dito por Carlos Abreu Amorim...


"Cada vez mais, a informação circula em 'spin', intencional ou desmiolado, apenas nos cabendo comer a 'palha' que nos põem à frente"



Carlos Abreu Amorim, in Correio da Manhã online, 24-02-2010

Cubano Zapata Tamayo morre após 85 dias de greve de fome...

Zapata Tamayo morreu esta terça-feira num hospital de Havana, após 85 dias de greve de fome. Trata-se da primeira morte de um prisioneiro político cubano desde os anos 70.





O cubano, que pedia para ser tratado como «prisioneiro de consciência», morreu no hospital Ameijeiras, para onde tinha sido levado na noite de segunda-feira. Segundo testemunhas, estava a receber soro à revelia da vontade que tinha expressado.

Orlando Zapata Tamayo, de 42 anos, começou uma greve de fome a 3 de Dezembro em protesto contra o tratamento recebido na prisão.

Viveu os últimos anos num recorrente entra e sai das prisões cubanas, tendo sido preso pela primeira vez em 2002 por fazer greve de fome em apoio aos prisioneiros do regime castrista.

Foi solto um ano depois, mas passou apenas 13 dias em liberdade sendo novamente preso por fazer parte do grupo dos 75 na conhecida Primavera Negra.

Em 2003, Zapata Tamayo, membro de uma associação cívica ilegalizada pelo governo cubano, foi condenado a 18 anos de prisão por alegada desordem pública.

A mãe, que integra o movimento Damas de Branco, um grupo de mulheres que defendem o "Grupo dos 75" da Primavera Negra, disse não ter feito qualquer preparativo para o enterro do filho, apesar de saber que seria este o desfecho, e avisou que não vai aceitar esta morte anunciada.

A Comissão Cubana dos Direitos do Homem e Reconciliação Nacional, uma organização ilegal mas tolerada pelo regime cubano, considerou que Zapata Tamayo foi assassinado de forma premeditada.

Em declarações à TSF, Aramis Perez, do directório democrata cubano, uma organização oposicionista com sede na Flórida, Estados Unidos, disse que a morte deste preso político cubano «não vai ser em vão», porque vai abrir o caminho da oposição para «continuar a lutar» a favor do que ele queria.

in TSF online, 24-02-2010

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Procurador-Geral da República exige que jornais "reponham verdade" após divulgarem apenas parte do despacho...


«O procurador geral da República (PGR) salientou hoje que apenas cinco das 26 páginas do seu despacho de arquivamento das escutas com conversas do primeiro ministro foram divulgadas em dois jornais e exigiu que estes reponham "a verdade sobre notícias infundadas". »

Lusa, última hora, 23-02-2010





A vida política de Manuel Alegre...


Foi dito por Paulo Ferreira...

"A tragédia madeirense talvez possa servir de exemplo para o que Portugal precisa: união de esforços para seguir em frente afastando, um a um, os obstáculos, que são muito grandes"


Paulo Ferreira, in Jornal de Notícias online, 23-02-2010

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

domingo, 21 de fevereiro de 2010

A vida não está fácil para ninguém...

...Para um sportinguista, muito menos.

Fernanda Câncio - Caça às bruxas...


A acusação de tentar interferir na orientação editorial de uma cadeia de TV através de orientações dadas a uma empresa sob tutela governamental é muito grave. É suficientemente grave para ser levada a sério por toda a gente: acusado, acusadores e espectadores. É suficientemente grave para, desde logo, não ser feita sem indícios e intuitos sérios. É suficientemente grave para ser apreciada com gravidade.

Mas nas primeiras audições parlamentares sobre liberdade de informação, anteontem, ficou claro que ninguém ali parece levar a acusação a sério. Ou que ninguém ali acha que se trata de uma acusação séria (talvez porque ninguém ache realmente mal governos interferirem na comunicação social, excepto se forem os governos dos outros?). Assim, convocou-se um pivot de uma TV privada que se queixa de que um jornal privado lhe censurou uma crónica na qual basicamente contava que lhe contaram que o primeiro--ministro, à conversa com um terceiro num restaurante, lhe teria chamado doido (ou maluco?). Em declarações anteriores, o pivot assumira ter decidido não publicar a crónica quando o director do jornal lhe vocalizara por telefone as suas dúvidas sobre ela. No Parlamento surgiu uma nova verdade: foi o director a decidir a não publicação. O pivot lembra-se tão mais perfeitamente quanto estava com a mulher na cama a ler um livro de Mailer sobre Hitler e o telefonema do director do jornal lhe evocou "a banalidade do mal", expressão de Hannah Arendt a propósito do nazismo.

O mal, pois: o pivot garante que o telefonema do director do jornal é uma "censura" por "interferência governamental". Em duas horas de audição parlamentar em directo na TV, ninguém lhe exige que o prove. Exigir ou até solicitar explicações, justificações, factos, é, ficámos a saber, coisa de nazis, não de gente de bem. Muito menos de deputados. Ou jornalistas: no mesmo dia foi notícia um blogue criado para apoiar o PS nas legislativas. Um dos membros passou aos outros mails de "assessores governamentais" com informação sobre actividade do Governo e respectivo argumentário. "Governo montou rede de apoio na Internet"/ "Campanha com meios públicos", dizem duas páginas de jornal que se eximem de explicar por que motivo assessores governamentais não podem responder a pedidos de informação ou participar em campanhas ou até em blogues. Para quê? É mais uma corajosa denúncia da "rede tentacular do Governo", seguida ontem pela revelação de que o tal membro do blogue que recebia os mails foi contratado pelo Governo (muitos meses antes de o blogue começar) para, como economista, fazer um estudo qualquer. Caramba, querem mais quê? Seja quem for que trabalhe para o Governo ou troque mails com pessoas do Governo ou se atreva a "defender" o Governo, está na tramóia, na "rede". É do mal. E ai dos que não o condenam, dos que não o perseguem, dos que não o denunciam, dos que não o cospem e execram, dos que não o abjuram, dos que pedem provas. Arderão na mesma fogueira.

É banal, é. E mete tanto nojo que não se surpreendam se as pessoas não levarem nada disto - nada mesmo - a sério.




Fernanda Câncio in DN online, 19-02-2010


A maior catástrofe em 100 anos na Madeira: 40 mortos, 70 feridos e 248 desalojados...




«O secretário regional dos Assuntos Sociais, Francisco Ramos, fez hoje um novo balanço das vítimas das enxurradas na Madeira: 40 mortos, 70 feridos e 248 desalojados. O número de desaparecidos ainda é indeterminado.»
in Público online, 21-02-2010

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Apresentação da Candidatura de Fernando Nobre à Presidência da República...





Portugueses,

Sou candidato a Presidente da República, impulsionado por imperativo moral, de consciência e de cidadania.

Portugal precisa de um Presidente que venha verdadeiramente da sociedade civil, que seja independente, que nada precise da política e que conheça bem o país e o mundo.

Nada tenho contra os partidos ou a democracia partidária, porque não existe outra. Mas sou contra o sufoco partidário da vida pública. Acredito, sincera e profundamente que um homem livre, só e independente, pode servir melhor o país, nesta altura tão difícil e sensível para Portugal. A magistratura suprapartidária do Presidente da República deve ser exercida sem demagogias, sem populismos, sem anti-corpos contra os partidos e os políticos.

Não peço nem pedirei nenhum apoio que não o dos cidadãos que se identifiquem com o meu projecto, e aceitarei de bom grado todos os que a minha consciência não rejeitar, não me enfeudando a nenhum …

A minha candidatura é, também, a candidatura dos que não tiveram voz até agora, dos que se desiludiram com a política, dos que acreditam que a política não se esgota nos políticos e não é a sua coutada privada. Não é uma candidatura neutral, é uma candidatura empenhada, que diz respeito a todos aqueles para quem o destino do país não é indiferente, e que acreditam que as mudanças indispensáveis podem, ainda, ser feitas dentro do quadro constitucional e institucional.

Sei que muitos pensam ou já pensaram muitas vezes o mesmo que eu, mas não acreditaram que valesse a pena este combate. Chegou a hora da grande, determinada e corajosa opção de actuar, de acreditar em Portugal. Chegou a hora de não continuar de fora, chegou a hora de travar as dúvidas e de combater a maledicência, chegou a hora da esperança e da confiança no nosso futuro colectivo. Portugal é uma questão que diz respeito a todos os portugueses: ninguém se pode eximir desse dever de cidadania indeclinável.

Sou democrata, patriota e com particular sensibilidade social e humanística. Tenho orgulho de ser português e, trago bem enraizadas em mim as marcas da multiculturalidade, da lusofonia e de uma profunda mundivivência.

Sou apartidário mas não apolítico. Tenho os meus valores e os meus princípios e não acredito num saco de gatos onde todos cabem. O meu espaço político, mais do que definido à esquerda, à direita ou ao centro, é o da liberdade, da justiça social, do humanismo, da ética, da solidariedade, da transparência na vida pública e da adequada, justa e indispensável função redistributiva do Estado, que abranja no que diz respeito aos deveres, e não apenas aos direitos, todos os cidadãos de todas as áreas do território nacional. Procurarei, assim, que a sociedade portuguesa e todas as suas instituições se libertem dos velhos paradigmas e passem a reconhecer o mérito, a premiar a excelência, e a recusar a impunidade.

Conhecendo os poderes presidenciais que a Constituição reserva ao Presidente, não tenho um programa político para a governação – tal compete ao Governo eleito – mas apenas um programa que constitui um compromisso moral intransigente, com o qual me comprometo e pelo qual responderei sempre perante os portugueses e Portugal.

Não usurparei nenhum poder que não me caiba pela Constituição, mas não prescindirei de exercer nenhum dos que me competem. Não serei factor de perturbação das instituições, mas sim garante da sua estabilidade e regular funcionamento, tal como manda a Constituição.

Não interferirei nem dificultarei a vida a qualquer Governo, mas não presidirei, de braços cruzados, ao desgoverno do país ou à degradação das suas condições de vida, da sua essencial coesão social, do seu desenvolvimento, da sua justiça, da sua democracia e da dignidade de Portugal.

Se for eleito Presidente, como espero, embora limitado aos poderes que a Constituição me confere, prestarei contas ao País sempre que necessário.


À luz que faço do mandato presidencial proponho-me:

1 - Lutar, promover e incentivar a regeneração ética da vida política do país. Todos os eleitos, todos os nomeados politicamente, estão ao serviço do país e têm de prestar contas, honrar as suas propostas, assumir as responsabilidades e deveres do cargo e as consequências dos seus actos. Serei intransigente a exigir de cada um o cumprimento das suas obrigações. Portugal espera de cada um que cumpra o seu dever. A todos exigirei o mesmo que exigirei a mim próprio: trabalho, cidadania, solidariedade e ética.

2 - Apoiar e incentivar todos os esforços do governo e da sociedade civil no caminho da justiça social em todos os sectores da vida dos cidadãos: na educação, na saúde, nas oportunidades de emprego, na criação de riqueza, na justiça fiscal, na promoção de condições de vida dignas. Estarei particularmente atento à situação dos desempregados e dos trabalhadores precários assim como ao futuro dos nossos jovens, à dignidade do fim da vida dos nossos idosos, às comunidades emigrantes e imigrantes, porque entendo que todos eles são essenciais a uma equilibrada e saudável coesão social nacional.

3 - Defender a soberania nacional, tal como compete ao Presidente, entendida num sentido amplo e concreto: a defesa dos seus recursos e riquezas naturais, do seu património histórico e natural, da língua, da cultura e do prestígio do seu nome no concerto das nações.

4 - Não pactuar com a situação trágica da justiça em Portugal. É privilégio e função primeira do Estado a aplicação da justiça, e um Estado que o não faz é um Estado que não tem justificação moral. Defenderei, pois, intransigentemente, a independência da Justiça, mas não aceitarei que o corporativismo, a ineficácia, a irresponsabilidade ou as justificações de circunstância neguem o direito de todos, por igual, à Justiça. Também na Educação, na Saúde, na Economia e na Defesa, é a Justiça que deve estar ao serviço das pessoas e do Estado e não o contrário.



Portugueses: Todos sabemos que Portugal não é um País rico e que a sua situação económica e financeira é hoje muito difícil. Não existem milagres nem soluções mágicas em tempo recorde. A minha tarefa será a de despertar, motivar e incentivar o espírito de cidadania em cada um dos portugueses: todos temos direitos, e todos temos deveres para com o país.

A missão - que já não pode mais ser adiada - de devolver a todos a fé na democracia, a esperança num país melhor e a confiança num país justo, cabe a todos e a cada um dos portugueses, e não apenas aos que governam e decidem.

Temos enormes potencialidades: uma lusofonia à dimensão do mundo, um mar com reservas inexploradas, jovens cientistas de craveira internacional e um povo ímpar, que foi dos poucos povos que marcou indelevelmente a História da Humanidade.

Assim, não acredito em nenhum fatalismo lusitano para que Portugal seja regularmente citado pelas piores razões.

Candidato-me, não apenas porque o imperativo da hora me impõe esse dever moral e cívico, mas, sobretudo, porque a tarefa de não nos conformarmos a assistir, sem nada fazer, à agonia lenta de Portugal é uma exigência dos que vêm a seguir – os nossos filhos e netos - que não podemos ignorar nem desiludir.

Estou consciente que esta será uma batalha difícil, talvez até invencível, mas não será nunca inútil: a luta contra a indiferença sempre foi e será a minha marca individual. A minha candidatura é, assim, uma questão de coerência para comigo próprio.

É HORA DE ACREDITAR EM PORTUGAL!

Agora e aqui, neste Padrão dos Descobrimentos, alicerçados na nossa História convido-vos a olhar para o futuro, destemidos e a trabalhar com perseverança e afinco para vencermos os novos adamastores que nos angustiam e amedrontam, e assim transformarmos os actuais “cabos das tormentas” em “novos cabos de esperança” que iluminarão Portugal.

Convido-vos a todos para esse combate em nome dos nossos filhos e netos.
Em nome da esperança,
Em nome do “Acreditar em Portugal”.

Viva Portugal!



19 de Fevereiro de 2010 / 20h00
Auditório do Padrão dos Descobrimentos
Belém - Lisboa

in http://www.fernandonobre.org/

O vídeo mais visto da semana no YouTube...

Esta semana, o vídeo da nova versão do tema We Are The World - desta vez a favor das vítimas do Haiti - foi o mais visto.




in Visão online, 20-02-2010

Tempestade matou 32 pessoas na Madeira...

in DN online, 20-02-2010


in JN online, 20-02-2010

Catástrofe na Madeira : três novos vídeos...










Vídeos in YouTube, 20-02-2010

Madeira: Curral das Freiras isolada devido à obstrução de estradas...


in Diário de Notícias online
Imagem in Google

Cavaco Silva faz comunicação ao país às 19 horas...

...por causa de temporal na Madeira.

Imagem JN

Lusa: José Sócrates viaja para a Madeira urgentemente...


Mau tempo na Madeira já provocou pelo menos 32 mortos.

Tragédia na Madeira: estão confirmados 31 mortos...


«O temporal que assolou hoje a Madeira provocou até ao momento 31 mortos, disse à agência Lusa fonte do Governo Regional. Além destas vítimas, deram até ao momento 63 feridos nas urgências do Hospital Dr. Nelio Mendonça, no Funchal.»



Lusa, última hora, 20-02-2010

Tempestade na Madeira: tragédia já fez 25 mortos...







Vídeos in YouTube, 20-02-2010




«O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, adiantou hoje que estão confirmados até ao momento 25 mortos em consequência da tempestade que assolou a ilha da Madeira.»

Lusa, última hora, 20-02-2010

Recado para Manuela Moura Guedes...


"Há jornalistas que extravasam a sua competência ao entrarem no terreno político"


Júlio Magalhães, in Jornal de Notícias online, 20-2-2010




sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Fernando Nobre candidata-se por um 'imperativo moral, de consciência e de cidadania'...





«O presidente da Assistência Médica Internacional (AMI), Fernando Nobre, anunciou hoje que se candidata à Presidência da República por um "imperativo moral, de consciência e de cidadania".

"Portugal precisa de um Presidente que venha verdadeiramente da sociedade civil, que seja independente, que nada precise da política e que conheça bem o país e o mundo", afirmou Fernando Nobre, na apresentação da sua candidatura às eleições presidenciais de 2011, no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa.»
in Expresso online, 19-02-2010

Se não é verdade, podia ser: Rui Pedro Soares (ex-Portugal Telecom) convidado para substituir José António Saraiva na direcção do semanário Sol...

Há quase quatro anos, José António Saraiva, director do semanário Sol, em entrevista no Correio da Manhã de 03-5-2006, prometia:





A promessa do Saraiva nunca foi cumprida.

O Expresso manteve - durante os quase 4 anos de vida do jornal Sol - a liderança folgada dos semanários.

Até que, Rui Pedro Soares, administrador da Portugal Telecom, accionou uma Previdência Cautelar afim de impedir a publicação de escutas do "Face Oculta".

O semanário ignorou a ordem judicial e publicou as ditas.

Os leitores correram às bancas e, em tempo recorde, duas edições do Sol esgotaram.

Parece que foram vendidos mais de 300 mil exemplares.

Assim, Rui Pedro Soares,





conseguiu fazer, em 24 horas, aquilo que não foi feito em 3 anos, por José António Saraiva.





Entretanto, Rui Pedro Soares, foi obrigado a pedir a demissão da PT, e ficou no desemprego.

Como os accionistas do semanário Sol são pessoas gratas, Rui Soares vai ser convidado para substituir o arquitecto Saraiva na direcção do jornal.


O grande êxito da Justiça Social de Sócrates...


«Cinco maiores bancos mantêm lucros de 1,7 mil milhões de euros em 2009»



in "i" online, 19-02-2010





Nobre em Belém contra a Indiferença...

"Serei candidato independente, apartidário e em nome da cidadania, a Presidente da República."





Fernando Nobre em destaque in Expresso online, 18-02-2010

Aliment'arte...


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Eu pressiono, tu pressionas, ele pressiona, nós pressionamos, vós pressionais, eles pressionam...





«O socialista Arons de Carvalho acusou Mário Crespo de ter tentado que ele, então secretário de Estado da Comunicação Social, “interferisse na RTP, junto da administração”, para que o jornalista voltasse a ser correspondente em Washington e retirasse o processo disciplinar que lhe movera.


Na audição na comissão parlamentar de Ética, Arons de Carvalho referiu-se ainda a Mário Crespo para dizer que compreendia “muito bem a posição do director do JN”, mas que “talvez tivesse sido melhor ter publicado a crónica e depois logo se veria”. É que, acentuou, tal como o efeito da providência cautelar ao Sol foi o inverso do pretendido, "também neste caso, acho que a crónica só ganhou" visibilidade.

Antes o director do Diário Económico garantiu, na comissão parlamentar de Ética, que não tem notado que com o actual Governo haja mais pressões do que as que sempre houve com todos os outros governos de outros partidos.

António Costa acrescentou que, na sua opinião, não há “pressões legítimas ou ilegítimas, há pressões”. Sublinhou depois que ser director “é um risco” e que é mais pressionado pelos agentes económicos, financeiros e empresariais do que pelos políticos.


“O que é que condiciona mais a liberdade de Imprensa: um telefonema do primeiro-ministro ou cortes salariais aos jornalistas?”, foi uma das perguntas que deixou António Costa.

Quanto à eventual mudança da linha editorial no sentido de aproximação ao Governo, após a compra do Diário Económico pela Ongoing, Costa foi peremptório em afirmar que “nada mudou” e que nunca foi condicionado pela administração.

Ao ser questionado sobre a natureza da Ongoing, António Costa fez questão de acentuar que os gestores “não são pára-quedistas na Comunicação Social”.

Reiterou que a notícia que o DE publicou sobre o interesse da empresa espanhola Telefónica na Prisa “foi apenas jornalístico”.

Os deputados quiserem saber se António Costa teria editado a crónica de Mário Crespo. A resposta foi directa: “Como notícia não publicaria, mas como crónica, sim”.

Criticou ainda o primeiro-ministro por ter eleito a comunicação social como alvo. "Deitou-se na cama que fez e acabou por pagar mais do que outros governantes, pela forma como gere a relação com a Comunicação social", disse.»





Texto in JN online, 18-02-2010
Fotos in Google
Pergunta o Zorate:
Afinal, quem pressiona quem?

Face Oculta: Escutas indicam que Sócrates desconhecia plano para controlo da comunicação social...


«O PGR considerou no seu despacho sobre escutas do caso Face Oculta que nas referências feitas ao primeiro ministro não existe uma só menção de que este tenha proposto, sugerido ou apoiado qualquer plano de interferência na comunicação social - fonte conhecedora do processo.»


Lusa, última hora, 18-02-2010



Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 58 anos.