Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

sábado, 20 de junho de 2015

COMPREI UM BURRO





Farto dos aumentos dos combustíveis, vendi os carros velhos, que António Costa proibiu de entrar em Lisboa, e deixei de andar de transportes públicos, que também se aproveitam para aumentar os seus preços.
Coloquei uma manjedoura na garagem e comprei um BURRO.
Em segunda mão, com a pelagem já um pouco russa, mas que anda muito bem.
Mesmo na sua mais louca velocidade não corro o risco de ficar sem a carta de condução.
Aliás, nem é preciso carta de condução, inspecção, seguro e IUC (Imposto Único de Circulação).
Arranjo sempre lugar para estacionar e nunca nenhum fiscal da EMEL me incomodou por não lhe ter colocado na testa o bilhete do parquímetro.
Anda sempre, mesmo quando já não tem favas, cenouras e feno na barriga.
Nunca me deixou parado no meio de uma subida, obrigando-me a andar quilómetros para lhe ir buscar favas.
Passei a chegar a horas ao "Ai se eu te pego".
Não anda tão depressa como um carro, mas chega mais depressa.
Rio-me dos engarrafamentos.
O BURRO esgueira-se lindamente por entre os carros parados e por cima dos passeios.
Até sobe e desce escadas, onde não existe acesso para pessoas com mobilidade reduzida.
E é completamente ecológico.
Não consome gasolina, gasóleo nem óleo, mas produtos inteiramente biológicos e degradáveis, como favas, cenouras, cevada e outros ferrejos (verduras).
Quando o estaciono em jardins ou relvados, auto-abastece-se automaticamente.
E o que sai pelo seu tubo de escape não polui o ar nem faz buracos no ozono.
As suas bostas são do melhor fertilizante que há para a agricultura.
Estou a treiná-lo para dar coices em situações de Burro-Jacking.
Em Muge, aqui, quando zurra todos dizem ou pensam:
"Lá está o Burro do Alberto a zurrar!"





Texto de autor desconhecido, adaptado por Alberto João (Catujaleno/Zorate)
Imagem Google

Sem comentários:

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.