Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Conversando com a loiça na cozinha

.


No principio desta tarde, estava eu a lavar a loiça do almoço, quando uma notícia me 'obrigou' a olhar para a televisão instalada na cozinha.

O advogado Ricardo Sá Fernandes falava sobre a decisão do juiz de instrução levar a julgamento o arguido Afonso Dias, suspeito do rapto do jovem Rui Pedro.

Nisto meti conversa com o Tacho, os Pratos, o Garfo, a Colher, a Faca e o Copo, e juntos tivemos uma discussão acesa acerca deste ilustre advogado.

A Faca, sempre com a língua afiada, perguntou-me alto e bom som: este advogado que defende a família de Rui Pedro não é o mesmo que defendeu um condenado por pedofilia?

Respondi-lhe: sim, é ele mesmo.

O Copo, metendo água na fervura, argumentou: mas...a condenação ainda não transitou em julgado. Por isso, até lá, constitucionalmente é considerado inocente.

A Colher, sempre disposta a meter a dita nas conversas, reforçou: já ouvi dizer que há fortes suspeitas de Rui Pedro ter sido raptado por Afonso Dias, e por este entregue a uma rede de pedofilia.


O Garfo, sempre pronto a picar, envenenou: os advogados querem lá saber de quem é culpado ou inocente! Querem é tacho!

O Tacho, que anda um pouco mouco, e que naquele momento estava a receber uma massagem ruidosa do esfregão de arame, perguntou: quem me chamou?

Os Pratos, já a brilhar, frágeis e talvez por isso mais compreensivos e conciliadores, não deixaram de opinar: Alberto, os advogados, tal como tu, têm o direito de comer em dois pratos, pá!


Imagem in Google

Sem comentários:

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.