Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

terça-feira, 27 de março de 2012

Tramagal, Abrantes: Paulo Alexandre Martins Grácio, monstro assassino ou um doente mental abandonado pelo Estado português?


«Raul Manuel Quina Caldeira Soares da Silva, casado, portador do BI. Nº 05547557, residente na Rua Quinta dos Bicos nº 154, 2205-714, na qualidade de cidadão, em abono do Estado de direito, vem a chamar todas as forças políticas da esquerda à direita, para o seguinte:

O Dou então a saber, que o cidadão Paulo Alexandre Martins Grácio, residente na vila e freguesia do Tramagal, conhecido pela alcunha de doido, é um doente esquizofrénico. Que há uns meses agrediu o pai violentamente, tendo a GNR tomado conta da ocorrência, e participado aos serviços do Ministério Publico junto do Tribunal Judicial de Abrantes. Mas nunca foram tomadas as medidas necessárias, adequadas, para internar o Paulo, que ontem, assassinou, barbaramente, a sua própria mãe, em pleno dia na via pública.

Após ter espancado o pai, falou com os meus filhos, de quem é amigo, a pedir abrigo por uns dias, mas passaram meses, para ver se conseguia obter o Rendimento Social de Inserção. Pelo que o vim a deixar ficar, porque não tinha para onde ir, e a técnica dos serviços da Segurança-social. Dr.ª Amélia Bento e a Dr.ª Margarida. Sabem e muito bem disso mesmo.

As funcionárias dos serviços da Segurança-social fizeram-lhe a vida negra, para não lhe pagar o rendimento social de inserção, o qual nunca veio a receber devido aos sucessivos obstáculos, que lhe vinham a ser colocados. Quando na verdade sabiam e muito bem, que ele até tem direito a uma reforma, mais elevada do que o valor do RSI, em consequência da patologia de que padece.

Passado pouco tempo de ter espancado o pai, alertei o Presidente da junta, dizendo-lhe que ele precisava de ser internado, a ver se podia fazer alguma coisa. De resposta obtive: Que ele precisava era de levar com um pau de marmeleiro nas costas.

Um dia também fui falar com a técnica dos serviços da Segurança-social da área, Dr.ª Amélia Bento, que me respondeu, dizendo que não podia fazer nada, enfim!

Sofreu muito, falava alto sozinho, batia com a porta, e gritava de noite e de dia.

Muito há para dizer, mas muito mesmo! Mas rematasse o assunto, dizendo: Até aqui ninguém pôde fazer nada. Mas agora já podem fazer tudo, mas a verdade é que nada fazem, é mais um número atrás das grades, dão-lhe lagar-tile para o bucho e deixam andar. Mas acreditem, o Paulo, e muitos outros como o Paulo, servem para justificar o salário de muita gente no final de cada mês. Quanto custa isso aos bolsos dos contribuintes? Que progresso trás ao país?


Contudo, podem ter a certeza que o Paulo vai se sentar no banco do réu, sozinho! E aqueles que tinham o poder-dever, de tomar medidas preventivas, e nada fizeram, para que o Paulo não viesse assassinar barbaramente a sua própria mãe. São os mesmos serviços, senão até as mesmas pessoas, quem vai fazer os relatórios para elucidar os juízes, aquando da audiência de julgamento. É caso para dizer: Estamos no fim do mundo.

O governo e os demais partidos com assento parlamentar estão convidados para acompanhar o processo e, no final digam se os culpados se sentaram no banco do réu! Se foi feita justiça!

Raul Caldeira

Obs. Honradamente disse:

Raul Caldeira»


Texto de Raul Caldeira na caixa de comentários do post Tramagal, Abrantes: Mulher de 55 anos assassinada pelo próprio filho
Título deste post do editor de 'Crime e Justiça'

Sem comentários:

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.