Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Cão permanece ao lado da sepultura da dona, após tragédia em Teresópolis, Rio de Janeiro


Em meio às centenas de imagens desoladoras sobre a tragédia nas cidades da região serrana do Rio de Janeiro, parcialmente destruídas por deslizamentos de terra nas encostas das montanhas, uma em especial chama a atenção. Um cão permaneceu ao lado da sepultura de sua dona, Cristina Maria Cesario Santana, que morreu em consequência da catástrofe que atingiu Teresópolis.




Caramelo (que algumas fontes dizem chamar Leão) vivia com Cristina e mais três pessoas. Todas morreram, mas o cão se salvou e ajudou os membros do resgate a localizarem os corpos. Segundo o relato de membros da ONG Estimação (http://www.estimacao.org/), que passaram a cuidar do animal, o cão “está muito carente e pula no colo de qualquer pessoa que se aproxime”.

ATUALIZAÇÃO: o cão Caramelo foi adotado por uma família que vive na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. A ONG Estimação, contudo, ainda mantém outros cães para adoção e precisa de ração, jornal, potes, coleiras e tapetes para os animais recolhidos na região serrana fluminense. A Estimação também aceita doações em dinheiro.


Fotos: Vanderlei Almeida / AFP

1 comentário:

Anónimo disse...

E ainda tem gente que judia...abandona...
Eles são "anjos de 4 patas" que nos acompanham sempre...
Quem despreza e maltrata um animal... só pode ter uma alma vazia!
Gente, são seres vivos...têm fome, sede...sentem cansaço,calor e frio...e sobretudo precisam da nossa atenção e do nosso carinho...
AMEM OS ANIMAIS!!!
Bençãos, amigo Zorate!!
Bjs!

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.