Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

terça-feira, 26 de abril de 2011

"Alberto, você me parece um cara inteligente. Mas há uma coisa que não consigo entender: porque é que você fuma?"


Esta pergunta foi-me dirigida em 1992 por um simpático taxista que me transportou do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão (agora António Carlos Jobim) para o Copacabana Palace, na zona sul do Rio.




Quando entrei no táxi perguntei ao condutor se podia fumar. Com um sorriso nos lábios, e trabalhando para a caixinha (gratificação/gorjeta), aquele prontamente me respondeu: "Amigo, a partir do momento que você entrou no táxi, ele é seu. Quem manda aqui, agora é você!"

Gostei da simpatia, puxei por um puro e comecei a degustá-lo enquanto ia matando saudades da paisagem carioca. Havia já dois anos que ali não ia.

Nos 30/40 minutos que durou a viagem, falei com o simpático taxista sobre o calor imenso que estava naquele dia, sobre a cotação do dólar, falta de segurança, etc...

Prestes a chegar a Copacabana, ali nas imediações do Canecão - já o taxista sabia o meu nome e eu o dele - após alguns momentos de silêncio, sou surpreendido com esta pergunta do meu amigo Edson: "Alberto, você me parece um cara inteligente. Mas há uma coisa que não consigo entender: porque é que você fuma?"

Reagi com uma espontânea gargalhada e, sinceramente, já não me lembro o que lhe respondi.

Entretanto, chegados ao Palace, isso lembro-me bem, gratifiquei-o consideravelmente. Lembro-me de ele ter ficado 'hipnotizado' a olhar para as 'verdinhas' (dólares), e de me ter dito: "Mas...Alberto, eu não ganho este dinheiro numa semana a trabalhar". Dei-lhe uma palmadinha nas costas e despedi-me dele como se fosse um grande amigo.

Após a instalação no hotel, estava eu a deliciar-me com um soberbo duche, quando de repente se fez luz na minha cabeça: "Ai que aquele filho da mãe chamou-me burro e eu gratifiquei-o que nem um Lord"

Passaram quase 20 anos. Deixei de fumar há quase 2 anos. Gostaria de um dia voltar a ver o meu amigo Edson. O tal taxista que, não obstante o seu papel de beneficiador de uma eventual gratificação, não hesitou em 'chamar (com classe) o boi pelo nome', salvo seja!

Obrigado, Edson!


Sem comentários:

Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.